Hell
por Bárbara Paz
Hell é um retrato sincero e devastador de uma juventude rica e comunista de Paris que preenche suas vidas com baladas e roupas de Grife. Ação da peça foca na trágica história de amor vivida pela protagonista Hell e Andrea - um jovem tão rico e tão solitário quanto ela.

Hell poderia se passar em qualquer cidade do mundo, porque fala dos valores e comportamentos de uma sociedade que, não encontrando os limites do prazer, vive o angustiante vazio do excesso. Ela tem um cartão de crédito no lugar do cérebro e um aspirador no lugar do nariz. E no lugar do coração um vazio. Recusa a assumir o papel de pobre menina rica. Todos os sonhos que o dinheiro possa comprar estão à sua disposição. Faça amor sem amor e resume a vida assim: "Se os ricos não são felizes, é porque felicidade não existe".

"Aos quatorze anos entrei numa boato para nunca mais sair. O que iria fazer de meu guarda-roupa Gucci?"